Solução pacífica para conflitos internacionais

A 67ª Assembléia da ONU, na qual a presidente Dilma Roussef chefiará a delegação brasileira, terá como tema principal a prevenção e a resolução pacífica de controvérsias internacionais, iniciando-se em 25/09/2012.

Seguem-se nas próximas linhas algumas anotações gerais, oriundas de uma apresentação acadêmica do ano de 2011, sobre o tema  que faz parte do Direito Internacional Público. O objetivo é caracterizar cada umas das formas mais frequentes de solução de controvérsias internacionais.

Controvérsia é um conflito de interesses entre duas ou várias partes e, a forma de remediar o conflito é uma solução que pode se dar por modos pacíficos e não pacíficos.
           •Meios pacíficos: facultativos ( bons ofícios, mediação, inquérito e conciliação) ou obrigatórios (arbitragem e soluções judiciárias por meio de tribunais internacionais).
Os modos de solução pacífica de controvérsias vêm historicamente tratados em acordos internacionais:
           – Convenção de Haia para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais (1899);
           – Segunda Convenção de Haia para a Solução Pacífica de Conflitos Internacionais (1907);
           – Ato Geral para a Solução Pacífica de Controvérsias Internacionais (1928 – Ato Geral de Arbitragem de Genebra) – Liga das Nações.
Previsão nas Cartas das Nações de 1945: “Todos os membros deverão resolver suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de modo que não sejam ameaçadas a paz, a segurança e a justiça internacionais”. (art. 2º); “As partes em uma controvérsia, que possa vir a constituir uma ameaça à paz e à segurança internacionais, procurarão, antes de tudo, chegar a uma solução por negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem, solução judicial, recurso à entidades ou acordos regionais, ou a qualquer outro meio pacífico à sua escolha” (art. 33).
Importante frisar que apesar da existência da Carta das Nações e do reconhecimento dos modos pacíficos de conflitos internacionais a ONU (órgão supremo de composição) não tem poder de coagir duas nações em conflito à negociação, pelo simples fato que esta forma soluções devem contar com a voluntariedade das partes envolvidas, posto que partes devem ter a boa vontade de dialogar e estabelecer um entendimento. Ademais a eficácia da solução fica adstrita à vontade dos países contendores, sem submeter terceiros não envolvidos.
Classificação:

Meios Diplomáticos:

a) Negociações Diretas

                                                 –Informalidade;
                                                 –segundo usos e costumes internacionais;
                                                 –aproximação ou não das partes litigantes;
                                                 –terceira parte induz os litigantes a uma solução pacífica do litígio.
                                                –bilaterais (direta): entre dois sujeitos de DIP;
                                                 –multilaterais: interessam a mais partes.
                                                –Resultados:  desistência: um sujeito renuncia à sua reivindicação;

aquiescência: um sujeito reconhece a reivindicação do outro;

transação: as partes fazem concessões recíprocas.

b) Sistemas consultivos: troca de opiniões entre partes litigantes para alcançar uma solução que agrade a todos.

c) Mediação: interposição de um (mediação individual) ou mais Estados (mediação coletiva) entre outros Estados para solução pacífica do conflito que pode ser oferecida ou solicitada.

d) Bons ofícios: tentativa amistosa de um ou vários Estados abrir via às negociações das partes interessadas ou de reatar as negociações que foram rompidas.  O terceiro Estado é um simples intermediário e os bons ofícios não se confundem com a mediação.
e) Congressos e conferências internacionais: pressupõem uma matéria ou um assunto litigioso de interesse multilateral e apontam uma solução de um conjunto de questões sobre as quais existem divergências.

Meios jurídicos:

a) Comissões de inquéritos ou de investigação:

                                 –facilitar soluções de litígios internacionais;
                                 –elucidar fatos controvertidos.
                                 –Função: investigar os fatos do litígio, sem se pronunciar sobre as responsabilidades.
                                 –Estipuladas por convenções através de comissões permanentes (organismos prévios).

b) Conciliação:

– formação de uma comissão conciliadora;

                                             –relatório opinativo com alternativas  ao conflito;
                                             –prazo para que as partes se pronunciem;
                                            –partes chegam sozinhas ao acordo;
                                            –não obrigação de aceitar as propostas da comissão;
                                            –os fatos investigados e opiniões legais emitidas pela comissão conciliatória não têm valores perante Cortes Arbitrais ou Judiciais.

c) Solução arbitral:

– assuntos que não necessitam ser submetidos à CIJ;

– assuntos que necessitam de decisão célere;

                                            –foro especializado e independente;
                                            – decisões de executoriedade obrigatória;
                                            –compromisso arbitral:
                                            –árbitro ou tribunal;
                                            –normas a serem seguidas;
                                            –aceitação compulsória da decisão a ser tomada;
                                            –sentença definitiva.
                                           –flexibilidade;
                                            –confidencialidade;
                                          –aplicação das regras e princípios de direito;
                                                   Tipos (previsão em tratado geral de arbitragem ou uma cláusula arbitral inserida em um tratado):
                                                               facultativa (ad hoc): compromisso arbitral – litígio não previsto;
                                                               obrigatória: acordo prévio – previsão de divergência;

                                                    Realizadas por:

a) chefes de Estado: não há hierarquia entre árbitros (em desuso);
b) comissões mistas:

“comissão mista diplomática”: dois membros indicados pelas partes

“comissão mista arbitral”: comissionários em número ímpar e  super-árbitro ( do terceiro Estado) para desempate;

                                                              c) Tribunal: a maioria dos juízes não é nacional das partes contratantes.
* Importante: mais avançada, mais utilizada, assegura maior imparcialidade à decisão e desaparece com a solução do litígio.

d) Soluções judiciárias –tribunal judiciário (organismo institucional):

                                          •juízes independentes – não escolhidos pelas partes
                                          •investidura pretérita ao litígio;
                                          •subsiste à sua solução – jurisdição e competência permanentes;
                                          •funções claras e determinadas;
                                          •instrumentos internacionais solenes;
                                          •formação de jurisprudência mais definida do que os casos julgados por árbitros;
                                          •1920 – Corte Permanente de Justiça Internacional (CPJI) – extinta com a eclosão da Segunda Guerra.
                                           •1945 – Corte Internacional de Justiça (CIJ)
                                                            –principal órgão judiciário da ONU.
                                                         –em alguns casos um Estado litigante pode indicar um juiz de sua nacionalidade para a composição;

Meios políticos: soluções dadas pelas Organizações Internacionais quando a situação litigiosa não alcança uma solução:

                                     –Conselho de Segurança
                                                   •ameaça à paz: recomendações e decisões sobre as medidas a serem tomadas.
                                      –Assembléia Geral:
                                                 •recomendações;
                                                 •criação de comissões de bons ofícios;
                                                 •indicação de mediadores – Secretário Geral da ONU.
                                                 •Comissão Interamericana de Solução Pacífica dos Litígios – órgão de conciliação e investigação;
                                                 •Organizações intergovernamentais:
                                                    –mesclam as formas tradicionais de soluções e prevenções de litígios internacionais;
                                                    –pouca preocupação com a forma;
                                                    –busca de resultados de uma atuação coletiva eficaz.
Escrito por Carla Carvalho. Belª. em Direito. Pós-graduanda em Metodologia e Didática do Ensino Superior. Policial Militar.
Explore posts in the same categories: Direito Internacional

Tags: , , , , , ,

Responses are currently closed, but you can comment below, or link to this permanent URL from your own site.


%d blogueiros gostam disto: